,

A Tríplice Coroa da Proficiência Enferrujada

Por mais que a gente possa tentar disfarçar, não tem como escapar da verdade dolorida que nosso país tem uma posição pífia no quesito performance em língua inglesa. Há anos não passamos das colocações baixíssimas. Mas os motivos para isso estão bem em nossa frente, só que insistimos em negá-los. Leia mais

,

O Presente Perfeito para o Tempo Perfeito

Acredito que a grande maioria dos professores de inglês já ouviu os alunos, independente da faixa etária, reclamarem que o tal present perfect é difícil e que não temos esse tempo verbal em português e, por isso, é muito mais complicado de se entender e fazer com que os alunos entendam. Talvez esteja na hora de mudar esse cenário (comentário) e a tecnologia pode ser a ferramenta fundamental para isso. Leia mais

,

A Musicalidade do Empoderamento Feminino em Sala de Aula

Infelizmente, vivemos num país em que as mulheres sofrem muito com o comportamento inadequado de muitos homens e, até mesmo, de outras mulheres. Como professores, faz parte de nossa responsabilidade abordar esse assunto com maturidade em sala de aula. Na posição de professores de línguas, somos responsáveis por levar aos alunos materiais atuais em língua inglesa para que os alunos possam refletir sobre esse tema. Uma maneira sensacional de se trabalhar o empoderamento feminino em sala de aula é usando nada mais, nada menos que as músicas dos Beatles. Leia mais

The Traps Of EFL Classes

Nostalgia. As one gets older, it is easier to have this feeling since life experiences are such that books could be written about each moment. The first kiss, first love, a surprise birthday party, moments with parents and loved ones, travels, every person tends to be nostalgic and bring back the pleasing sentiment to compare them with current situations. Although this might seem hard to be avoided, for teachers nostalgia is a dangerous trap linked to cognitive bias, hindering the effectiveness of our classes. Leia mais

,

O Que Acontece Com o Interior de SP?

Já está mais que evidente e muito bem esclarecido o quão importante são os cursos e workshops para capacitação de professores. Não somente os professores, mas também os coordenadores afinal eles precisam estar cientes de como seus professores de inglês irão desempenhar suas funções. No estado de São Paulo, temos a capital como um hub de capacitação, mas no interior as coisas andam muito devagar e super resistentes ainda. Leia mais

,

Para Quem São Os Eventos Educacionais?

Tempo. Uns dizem que é dinheiro, outros acreditam que com o passar dos anos ele corre mais depressa, para professores de língua inglesa, tempo é praticamente inexistente. Muitas vezes eles se dividem em 2, até 3 escolas, inúmeras turmas, vários alunos, planejamento de aula, avaliações e feedback, reuniões com pais e internas, enfim, dificilmente sobra tempo para que façam cursos e compareçam a congressos. E os congressos hoje em dia têm acontecido em dias e horários duvidosos. Leia mais

,

Precisamos Reavaliar o Ensino de Língua Inglesa

Muitas escolas estão entrando na onda da nova moda educacional: oferecer ensino bilíngue. Primeiro, precisamos deixar bem claro aqui que muitas não são bilíngues de fato, mas oferecem um ensino de língua inglesa com carga horária bem diferenciada, o que já é muito interessante. O que muitas escolas ainda não se deram conta é que o motivo pelo qual elas ensinam uma língua estrangeira é para que os alunos, e não os pais, tenham benefícios e no caso de um idioma, é impactar a comunidade. Leia mais

,

A Alfabetização em Língua Inglesa

Com o boom de escolas que se auto proclamam bilíngues, também tem aumentado a oferta de alfabetização em língua inglesa. Porém, esse trabalho precisa ser muito bem detalhado e planejado afinal as diferenças entre os dois idiomas – português e inglês – é bem significativa, começando que a língua estrangeira tem viés fonético e a nossa língua materna, ortográfico. Leia mais

The Word Won’t Escape Me Anymore

If you were ever interested in becoming acquainted with a speech impairment called aphasia and its effects on people, you probably read this amazing and very humane book “The Word Escapes Me: Voices of Aphasia”. This book brings reports of professionals and patients with aphasia (PWA) with emotional and realistic descriptions of what life is like when speech suddenly becomes a hassle. Although the book contains real stories involving all sorts of aphasia, this article will focus on Wernicke’s aphasia and how linguistics can help PWAs overcome it.

 

– Understanding the monster

Before we start talking linguistics and possible solutions that can bring speech back to its track we need to understand what Wernicke’s aphasia stands for.

Wernicke’s aphasia is a speech disorder derived from a stroke or another kind of brain accident that hinders oral competencies of people. The injury happens in the superior temporal lobe in the left hemisphere of the brain which means that comprehension of the language is directly affected, but differently from other types of aphasia, this one also disables the ability people have to understand and produce certain words intelligibly and so it is called the fluent aphasia (www.aphasia.org).

What this kind of impairment does to people’s speech can be noted in (1) and (2) and it is important to shift your attention to the person replying in this conversation (https://www.youtube.com/watch?v=szCeRbiEk6A) for it is the motive PWAs struggle getting their normal lives back, but in time, they realize that there is a new normal.

(1) Hi Nicole! What did you do this weekend?

(2) Hi Mary Kay! I went to the catabot and then I saw the gleeblabla…

 

– What does linguistics have to do with it?

At a first glance, this may seem more a medical issue than a linguistics topic for analysis, but if we take a closer look you will see that linguistics is just as related.

Considering Neurolinguistics, it is possible to find the relation since the superior front lobe of the left hemisphere is responsible for formulating our speech (Robson et al., 2014), i.e. when we are engaged in a conversation, the left part of our brain is the machine that puts words together, combines them in the syntax of our language and not least importantly, it also finds out the intention behind words and syntactic order. Then, all of a sudden PWAs find themselves in a situation where this part of their brains insists in not working as it did before.

This new situation shatters the person’s self esteem and this can be one of the factors that supports the idea that their intentions remain untouched even though their utterances are not in compliance. If we consider the previous dialogue, in (2) the patient clearly produced noises instead of words, but if they had access to maybe a written paraphrased text they could have a chance to communicate better. Given this situation, one can support that there is not a single utterance that is intention-free, i.e. every speech is then a locutionary sentence full of intentions and enforcements other than just say something (Austin, 1975).

A third connection between Wernicke’s aphasia and linguistics is regarding PWAs’ recovery. You may have heard of the term neuroplasticity before, but is that really clear to you? So, let’s figure it out. Even though we do have certain parts of our brain that is responsible for decoding certain types of information – the left superior temporal lobe is responsible for languages – many parts of our brain work at the same time when we speak or are exposed to speech. If our brains were an unchangeable organ, then there would be a limit for the amount of info we could insert in it, but that is definitely not the case for we learn, decode, relate new things all the time and yet our brains are still there, inside our skull. This happens due to the connection our neurons make with one another linking information which is called synapse.  Considering that this can perfectly happen as long as there are neurons, PWAs have a chance to re-acquire their speech with a frequent amount of guided exposure which will then trigger the neural compensation, i.e. they will start using parts of their brain (mainly the right hemisphere) when engaged in a conversation.

 

– The words won’t escape anymore

We have seen in this article that Wernicke’s aphasia is a result of a brain injury mainly caused by a stroke that impairs speech regarding utterances, we have also talked about the connection between this impairment and linguistics theories when we linked aphasia with how languages are decoded, how preserved intentions can be a the key to speech re-acquisition and now we will see how Tomasello’s Usage-based Learning studies are aligned with a proposal to make PWAs’ speech become closer to what it used to be.

According to Wartenburger et al. (2003), meaning of words is a result of a declarative memory, i.e. someone will tell the meaning of a word and it will not hinge on assumptions or conjecturing. Indeed, this kind of exposure can benefit PWAs as it happens in classes where a teacher will design lessons which will provide patients with a great amount of exposure triggering parts of the brain that were not affected by the injury. This combination complies with studies on Usage-based Learning since this exposure will be the fuel for the neural combustion because the intervention of the teachers through their lessons might be the stimulus that these patients need to compensate the hemisphere that got impaired by the injury. Therefore, without this social input speech re-development would limp and opposite is also true. Without higher functions speech cannot be whole. If that was so, PWAs would not need any type of compensation to speak properly again, but they do need and they do compensate which leads us to one conclusion: we don’t have a specific organ dedicated to organize our speech, we learn to speak as we learn everything else – with exposure, repetition and reasoning (Tomasello, 2003).

Thus, the exposure to the language they want to re-develop will work as the model for the new brain connections so that the intention (previously stated as preserved) regain their proper outcome – the speech. The role linguists have in this new  era of a patient is very important such as the understanding of how acquisition takes place and also the implications that this process has on the brain of the person. In addition to that, and maybe more important than anything else, respect the individual, have empathy, acknowledge their emotions and rescue their story. This will make our jobs easier.

,

A Importância da Capacitação de Professores

Recentemente, eu vi um desabafo num dos grupos que pertenço onde um dos membros, que é professor de inglês, expressa toda sua insatisfação (com razão) com o ensino de língua inglesa nas escolas. Resumindo o que estava escrito no post, ele questiona a postura das escolas que alegam para os pais que oferecem ensino de inglês de qualidade, que são referências no mercado, mas no ranking mundial a gente nunca sai da embaraçosa 78a. posição.

Um dos motivos que perpetua esse desempenho pífio em língua inglesa em nosso país é a constante falta de interesse das escolas (particulares) em capacitar de fato seus professores de línguas. Muitos agora irão esbravejar e dizer “minha escola não faz parte disso! Na minha escola a gente oferece treinamentos aos professores, sim!”. Pois então vamos lá. Geralmente, as escolas particulares oferecem momentos de workshops em janeiro aproveitando que as aulas não reiniciaram e os professores têm maior disponibilidade. Um primeiro problema nesse sistema adotado é que workshops são muito superficiais e acabam não oferecendo momentos de discussão mais profunda sobre como atacar as dificuldades encontradas em sala de aula no processo de aquisição de língua estrangeira ou de como abordar conteúdos linguísticos que favoreçam o processo. Workshops são muito importantes, claro, mas eles são muito mais eficazes quando se tratam de assuntos que os professores já têm domínio para se fazer um ajuste pontual.

Outro obstáculo encontrado no processo de alavancagem do país em performance de inglês é o comportamento de alguns colegas professores. Instituições mundialmente reconhecidas como o Edutopia frequentemente nos relembram da importância do teachers’ development, falando sobre como a qualidade do ensino aumenta em função da participação de professores em cursos de capacitação. Infelizmente, em somente alguns centros (geralmente em São Paulo, capital) que os professores adotaram a consciência de que procurar cursos, compartilhar informações, se capacitar não é demérito. O ensino de línguas também é uma ciência e não podemos mais trabalhar no achismo ou entrar em sala de aulas suportados somente pela experiência de décadas trabalhando com ensino de língua inglesa. Temos a Neurociência muito avançada que nos oferece material  muito rico sobre aprendizado, sobre como um assessment interfere na retenção e no acesso a informação que foi recém ensinada. A Linguística que nos informa como a língua estrangeira se desenvolve, como aspectos cognitivos e sociais trabalham nesse processo além de contribuir com dados sobre variações linguísticas e como levá-las em consideração.

Tecnologia. Um quesito que mudou completamente nos últimos 10 anos e a cada semestre, novas ideias e ferramentas educacionais surgem para que os alunos sejam capazes de realizar um trabalho que antes não conseguiam. Ou seja, usar um PowerPoint, um Prezi não é usar tecnologia de maneira ativa. Portanto, precisamos de cursos que nos mostrem como otimizar a aplicação desses recursos em nossas aulas. A Pedagogia também tem muitos estudos que mostra abordagens que encorajam, por exemplo, a tentativa de comunicação no idioma alvo, que nas aulas de inglês dificilmente acontece de maneira espontânea quando não estão fazendo uma atividade ou sob o olhar dos professores. Além disso, ela conta com pesquisas e profissionais que mostram como o ambiente pode ser um aliado no processo aquisitivo. São alguns exemplos de como o trabalho de professor de língua inglesa não pode mais ser baseado somente em experiências e também precisamos entender que por mais cursos e certificados que a gente obtenha, por melhor e mais famosa que seja a escola em que trabalhamos, a gente nunca sabe de tudo.

Por esse motivo que instituições muito competentes como o Instituto Singularidades, o São Paulo Open Centre e algumas menores como a Teach-in-Education e a Mattiello Consultoria (no interior de SP) têm investido em trazer profissionais da educação, mais precisamente de  ensino de línguas, que enriquecem e qualificam cada vez mais esse trabalho. Nosso trabalho. Afinal, não é possível que alguém se sinta completamente satisfeito com o trabalho desempenhado a ponto de achar que atingiu o topo da carreira profissional que não precisa mais se informar sobre o que acontece dentro da área de atuação. Ainda mais em nossa área que é extremamente dinâmica, envolve pessoas e inúmeros outros fatores complexos. Isso serve também para os professores de cidades menores em que o mercado ainda não exige um coportamento  de busca pela capacitação. É sabido por todos que o momento financeiro dos profissionais como um todo não anda mil maravilhas, mas esse cenário não vai mudar  se a gente depender somente da boa vontade dos empregadores (diretores, mantenedores) de aumentar benefícios e salários ou atribuir mais aulas. Investimento na carreira é fundamental para que nossas aulas sejam melhores e para que a valorização (salarial) aconteça, o que é um mindset muito comum do mundo corporativo, mas que ainda resiste no mundo educacional.

Com relação às escolas públicas, todos sabemos da precariedade no quesito investimento, embora existam alguns programas suportados por algumas secretarias de alguns estados que busca capacitar professores, mas infelizmente o foco, para professores de inglês da rede pública, tem sido a oferta de cursos de inglês para melhoria da língua de alguns professores. Claro que é um grande passo, mas eles precisam de mais. Os professores precisam ter acesso aos cursos que as instituições anteriormente citadas oferecem e caso as secretarias ou diretorias de ensino não tenham orçamento para tal, cabe então aos professores se engajarem por esse desejo de mudança. Os garotos da rede pública de ensino merecem a mesma qualidade de professores que os alunos de escolas particulares e se os professores de inglês tiverem a mesma sede e interesse por capacitações que seus colegas, um grande passo para o aumento da qualidade do ensino de línguas será dado.

Contudo, precisamos mudar nossa maneira de olhar para a capacitação dos professores de língua inglesa. Nós somos os responsáveis direto pela motivação, ou não, dos alunos perante essa matéria e se fizermos a mesma coisa que fazemos agora, por mais que venha dando certo, uma hora vai parar de funcionar e precisamos ter todas as informações possíveis para que saibamos extrair o melhor de nossos alunos. As opções estão aí. E você, vai sair do status quo?