Google Beyond Research

Google-for-Educators

Everyone is more than used to turning to the greatest research tool in the world: Google. Everything there is in this planet can be found there, there is not a single thing this tool cannot  fetch and if Google cannot find it, then it just does not exist. What maybe few second language teachers know is that there is also another tool that can be very well used in language classes.

Even those teachers who are not tech aficionados ended up giving in to Google. However, a very low number of them have used their precious time of lesson preparation to explore every single corner on Google For Education. Calendars can be synced, files are shared and edited there, which is good for students’ work. In case you haven’t been introduced to each other yet, Google Drive offers their users a powerful tool to receive and share content with your students which means that if you want to flip your classes, you can kiss goodbye your excuses. Inside the core of lesson planning (warm-up, drilling, performance), with the resource of Google Drive it is possible to create a video clip that is going to be used at the warm-up stage. For instance, supposing that the content of the day is about looks, it might be interesting to go to a park and record all walks of people tall, short, fit, skinny, blondes, brunettes, people with curly or straight hair. Such a beginning of activity can expand the options for other sections of the lesson plan and, in addition, you will not be stuck with the school’s technical resources which are, in many cases, unfortunately limited.

On the other hand if Google Drive is already your BFF and you think you know all its features like the back of your hand, coding may be a good option for you to work with in your classroom. Yup, coding. That programming language used to design websites, apps and softwares. Of course Google’s Made With Code is not going to teach us exactly how to write codes, instead it uses the concept of functional blocks and offers a valuable tool for second language classes. Creating an avatar through geometric shapes can also be a fun activity with a techie pitch for K-12 groups. In this activity creativity and logical thinking are worked on and the outcome can become a tangible evidence of how students perceive, for instance, a character of book previously read. The stimulus for students to present and justify, in the target language, what each part of the avatar represents will make them communicate and use the vocab they learned such as geometrical shapes, colors, body parts. And what about asking your students to reproduce a poem in another language, with the same theme, but with a contemporary viewpoint? Too boring? Not if they can make their work into music. After they make their version of the poem, the students can use Google to create beats and become a rockstar for one day.

We all know how powerful Google has become and its education division has developed so impressive tools as the research. Knowing how to use such tools hinges on how willing a teacher is to understand how they work and think about implementing them in their activities. Go beyond the basics.

What Is Fluency After All?

cover

There has been a lot of language schools promoting and guaranteeing that their students end up their courses fluent in a second language. However, do professionals who work for with education really know what it means to be fluent? Many think that it is something regarding the accent, others believe that it is related (or is it?) to thinking in the target language which means that students shouldn’t (or should they?) think in their own native language.

All of us, born and raised in Brazil, have Portuguese as our mother tongue. We are natives and, therefore, fluent in that language and many factors support such status. One of them is our lexical range. Sociolinguistics studies a case called Speech Community, a group that can easily be recognized through linguistic features. In our case we share them with 100% of the Brazilian population thus we are natives and fluent in Portuguese for our Speech Community is obviously recognized through our language. Thinking time can also be an issue that contributes or not to fluency, it is not the reason why it happens though. Thinking time displays how articulate a person is, maybe you have a student not so articulate and takes time to conclude a speech however no teacher will question his or her fluency in Portuguese language.

What second language teachers can do to reach fluency is to develop activities that make their students speak, express themselves in the target language as much as they can. Exercises to master a language’s syntax, which expose students to current vocabs, registers and all the technical and subjective aspects of a language must be drilled with the students. Reading may enrich vocabulary, but silent reading and controlled speech activities help master syntax and role play activities help students understand how to convey in different situations. Pronunciation should be the frost in the cake in the classroom. Furthermore, many languages also have varied paces and pitches which means that teachers have to pay attention several pronunciation features other than just accent for they may contain semantic importance.

Pronunciation is indeed important in a language. It can represent a social group, a social identity and students should have access to such linguistic characteristic as well while in the process of a second language acquisition inside the classroom. What should be in every teacher’s minds is that pronunciation is not a determining factor that defines a student’s fluency. However, it plays an important part in the show.

Energia Para Ler, Energia Para Falar

boy-and-girl-reading

Energia é uma palvra utilizada pelas pessoas com diversos significados: eletricidade, potência (fisicamente é um termo similar), vitalidade. Tanto que, ao envelhecermos, dizemos que já não temos mais energias para lidar com certas situações. De maneira diretamente oposta, dizemos que crianças têm energia de sobra. Por isso muitos professores acabam se utilizando de aulas de leitura para aclamar seus alunos, os mais novos, cheios de energia, mas… será mesmo que isso é necessário? Mais ainda, será que isso contribui para a aquisição de uma língua estrangeira?

A leitura por parte do professor,  geralmente ocorrida nos primeiros anos  do Ensino Fundamental, tem seus benefícios. Os alunos recebem, nesse tipo de atividade, o modelo fonético apropriado a ser adquirido. Esse modelo é muito importante no processo de aquisição de língua estrangeira pois as crianças irão utilizar sua cognição para entender e decodificar o sistema fônico também, de acordo com os estudos recentes de Michael Tomasello.  No entanto, por melhor que seja o professor, lateralizar a informação reduz a eficácia no processo da aquisição de língua, quer seja a nativa ou a estrangeira. Por mais que a leitura acalme a turma, e eles têm mesmo muita energia, seria interessante otimizar e canalizar todo esse ímpeto.

Os professores que possuem ou já passaram por treinamento do CELTA, sabem que a espinha dorsal de uma aula de inglês como língua estrangeira termina com atividades de performance dos alunos. Ou seja, sempre há uma atividade em sala de aula em que os alunos podem voar livremente, sem interferência do professor, estimulando sua cognição e priorizando o uso da Zona de Desenvolvimento Proximal, através da interação com outros alunos. Mas a grande questão é: como unir uma atividade cuja característica é mais calma com outra mais dinâmica? Performance. Pois então vamos tentar esmiuçar isso. Certamente vocês já ouviram falar num grande escritor americano chamado Mark Twain. A grande sacada de suas obras é que elas têm uma conotação infantil com temas bem adultos, ou seja, dá pra se trabalhar com a criançada em sala de aula. Utilizando a história “The Celebrated Jumping Frog Of Calaveras County”, um conto muito divertido e rápido que li na época de universidade, o professor pode utilizar gravuras dos animais e dos personagens que são apresentados no conto para deixar a atividade mais lúdica. Conforme for contando a história, o professor pode fazer perguntas para que eles interajam e o recurso visual das gravuras também ajuda. Ao final, peça que os alunos escolham e desenhem um dos personagens descritos no conto. Ao término, eles devem mostrar ao professor e contar o que desenharam, sempre no idioma alvo.

Como dito anteriormente, claro que leitura por parte do professor tem seus pontos positivos, mas é imprescindível que os alunos tenham sua chance de produzir. Então, em vez de simplesmente aplicar uma atividade de leitura somente para que os alunos fiquem mais calmos, use a energia deles a seu favor. Ofereça o guia adequado e deixe-os trabalhar, sempre sob seu olhar profissional. Além de você trabalhar um clássico da literatura americana, ainda contribuirá para a produção oral de seus alunos e, mais ainda, poderão utilizar a criatividade ao desenhar seu ponto de vista dos personagens.

Entrevista “Band Cidade Campinas” – Matéria 02/09/2014

Em entrevista para o programa Band Cidade Campinas, o linguísta responsável pela Mattiello Consultoria Acadêmica fala sobre sua decisão de abrir uma empresa, combinando a formação acadêmica com o mundo corporativo.

Workshop – Pronunciation: O Fator Fonético da Fluência (28/08/2014)

O linguísta Rodolfo Mattiello com as professoras Jana, Carla e Adriana.

A missão da Mattiello Consultoria Acadêmica é ajudar os professores de língua estrangeira desenvolverem atividades de sala de aula que aumentem a exposição dos alunos a língua alvo, favorecendo a aquisição do idioma.

Na última quinta-feira, dia 28/08, tivemos mais um sucesso ao oferecermos o workshop sobre pronúncia. Em um de nossos posts, argumentamos que essa é a cereja no topo do bolo, mas é importante ressaltar que a cereja também é importante para a fluência. Nesse workshop abordamos alguns fonemas comuns às mais diversas regionalidades da língua inglesa, as diferenças com os fonemas da língua portuguesa e as influências que nossa língua materna exerce em nossa pronúncia quando produzimos em língua inglesa, entre outros.

O grupo de professoras formado por Carla Boccato, Adriana Scanacapra, Rosely Spagnol, Jana Camilo e Mayara Tieme contribuiu para que o workshop fosse um sucesso. Muito interessadas, as professoras valorizaram, e muito, mais esse momento em que professores de língua estrangeira se reúnem para discussão de diversos assuntos relacionados ao ensino de língua estrangeira, sugestões de atividades de sala de aula, dúvidas técnicas e troca de experiências.

A Mattiello Consultoria Acadêmica gostaria de agradecer a oportunidade e a confiança em nosso trabalho e logo em breve estaremos juntos novamente para mais workshops sobre ensino de língua estrangeira.

Google Além das Pesquisas

Google-for-Educators

Todo mundo já conhece muito bem a maior ferramenta de pesquisas do mundo: o Google. Tudo que existe no planeta hoje se encontra lá, não há absolutamente nada que essa ferramenta de pesquisa não possua e se não está no Google, então não existe. O que talvez poucos professores de língua estrangeira saiba é que há também uma ferramenta que pode ser muito bem aproveitada nas aulas de segundo idioma.

Mesmo aqueles professores menos aficcionados por tecnologia acabaram rendendo-se ao Google. Porém, poucos já dispuseram de seu precioso tempo de preparação de aula para explorar os cantos mais escondidos que existem no Google For Education. Lá, encontramos sincronização de calendários, ferramentas para compartilhar e editar arquivos (trabalhos de alunos). Caso ainda não conheça, o Google Drive oferece aos usuários uma poderosa ferramenta para receber e compartilhar trabalhos com seus alunos, ou seja, se o propósito era dar uma “flippada” na aula, não existem mais desculpas. Dentro da espinha dorsal para se preparar um lesson plan (warm-up, drilling, performance), com a utilização do Drive é possível criar um vídeo a ser usado no aquecimento. Por exemplo, supondo que o conteúdo do dia seja looks, talvez seja interessante ir até um parque e, por que não, gravar as mais variadas pessoas: altos, baixos, mais fortes, mais magros, loiras, morenas, cabelos cacheados, cabelos lisos, etc. Um início de atividade assim pode ampliar as alternativas para o restante do lesson plan além de não depender exclusivamente dos recursos técnicos da escola, que infelizmente, em muitas ocasiões, são limitados.

Agora, se você já tem como parceiro inseparável o Google Drive e acha que já o explora tão bem que virou rotina, procure trabalhar com códigos. Sim, códigos. Aquele sistema de programação usado para escrever sites, apps, softwares. Claro que o Made With Code, da Google não vai nos ensinar explicitamente como escrever códigos, mas ele utiliza o conceito de blocos funcionais e oferece uma ferramenta muito valiosa pras aulas de língua estrangeira. Uma atividade muito descontraída e tecnológica para as primeiras séries do Ensino Fundamental I pode ser a criação de um avatar através de formas geométricas. Nessa ativiade, a criatividade e o raciocínio lógico dos alunos são trabalhados e pode se tornar um representante do ponto de vista de como os alunos imaginam, por exemplo, um personagem de uma leitura previamente realizada. O estímulo para que os alunos apresentem e justifiquem, no idioma alvo, o que cada parte do avatar representa fará com que eles se comuniquem e utilizem os vocabulários aprendidos, e.g. formas geométricas, cores, partes do corpo. E que tal pedir pros alunos reproduzirem um poema em outra língua com o mesmo tema mas de maneira contemporânea? Muito chato? Não se eles puderem transformar sua obra em música. Após realizarem a versão própria de um poema, os alunos podem usar o Google para criar uma melodia e se sem sentirem rockstars por um dia.

Todos sabemos da potência que o Google se tornou no mundo e seu departamento exclusivo para educação tem desenvolvido ferramentas tão impressionantes quanto a de pesquisa. Saber utilizar tais instrumentos depende da vontade de querer entender como eles funcionam e pensar que tipo de atividade combinaria. Go beyond the basics.

Workshop – Heterogeneidade Em Sala de aula (Livraria Saraiva 07/05/2014)

template2014-2
Workshop Heterogeneidade em Sala de Aula: presença de educadores e profissionais da educação na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas.

Workshop Heterogeneidade em Sala de Aula: presença de educadores e profissionais da educação na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas.

Workshop Heterogeneidade em Sala de Aula: presença de educadores e profissionais da educação na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas.

Workshop Heterogeneidade em Sala de Aula: presença de educadores e profissionais da educação na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas.

Workshop Heterogeneidade em Sala de Aula: presença de educadores e profissionais da educação na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas.

Workshop Heterogeneidade em Sala de Aula: presença de educadores e profissionais da educação na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas.

Workshop Heterogeneidade em Sala de Aula: presença de educadores e profissionais da educação na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas.

Workshop Heterogeneidade em Sala de Aula: presença de educadores e profissionais da educação na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas.

Workshop Heterogeneidade em Sala de Aula: presença de educadores e profissionais da educação na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas.

Workshop Heterogeneidade em Sala de Aula: presença de educadores e profissionais da educação na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas.

O Casamento entre o Vestibular e a Proficiência em Língua Estrangeira

vestib

As últimas décadas do Ensino Médio brasileiro têm sido dedicadas à preparação de seus alunos para o ingresso nas universidades. As públicas, costumeiramente ditas como as melhores, são as mais concorridas e, portanto, requer um esforço maior dos alunos além de contarem com os processos seletivos mais difíceis. Mas, será que o ensino de língua estrangeira deve ser limitado a ajudar os alunos a rersponderem as questões de vestibular corretamente para que pontos importantes não sejam disperdiçados?

Assim que o aluno entra em uma universidade, claro depois de curtir muito o momento, ele começa a pensar no mercado de trabalho – procurando estágio, fazendo cursos extras, etc. Porém, o que se é esquecido é que as empresas exigem alto nível de conhecimento em língua estrangeira e então o aluno precisa correr atrás do tempo perdido, procurando pelas escolas de idiomas. Os mais dedicados conseguem terminar o curso, ficam capacitados e atingem um ótimo nível de proficiência. No entanto, o processo é complicado pois há muitas escolas de idiomas cujo interesse é o lucro e não necessariamente excelência no ensino. Um outro fator complicador é a forma engessada com que as metodologias de algumas dessas escolas são oferecidas e esse é um fator que deveria contar a favor das escolas regulares pois nelas os professores têm mais liberdade para desenvolverem as atividades, atingindo diferentes perfis de alunos, tanto cognitivos quanto comportamentais.

A grande questão é: será que as escolas regulares estão dispostas a dar uma guinada nesse paradigma e oferecerem um ensino de língua estrangeira para que os alunos atinjam um nível bom ao final do Ensino Médio? Automaticamente eles estarão prontos para as questões do vestibular também. Para um ensino de língua estrangeira ser bem eficiente, entre outros fatores, está a presença de atividades de leitura. A grande maioria dos exames de vestibular contam com questões de interpretação e é bem possível integraresse tipo de atividade com a característica comunicativa que a aquisição de linguagem possui. A leitura pode servir como plano de fundo para uma atividade mais interativa e dinâmica em que os alunos podem debater pontos de vista, realizar apresentações para expressarem suas versões da leitura, tudo feito com a utilização do idioma alvo. Ou seja, das quatro habilidades, três são trabalhadas (reading, speaking, listening), sendo que, para o caso dos vestibulares, a leitura, em conjunto com a interpretação, estarão presentes nas aulas.

Com muitas escolas se auto promovendo, alegando a formação completa de seus alunos, seria muito legal que a língua estrangeira também fizesse parte desse processo para que o aluno não precise esperar arrumar um emprego para então a empresa exigir conhecimento de um segundo idioma, culminando com a procura por outros meios de ensino de língua estrangeira.

Mas afinal, o que é fluência?

cover

Muitas escolas de idiomas têm feito propagandas jurando de pés juntos que seus alunos terminam o curso atingindo a fluência na língua estrangeira.  Mas será mesmo que os profissionais que trabalham para que isso aconteça sabem o que ralmente significa ser fluente em uma língua? Muitos acham que é algo relacionado com o sotaque, outros acreditam tem a ver com pensar (ou não) diretamente na língua alvo, ou seja, os alunos  não devem (ou devem) raciocinar na sua língua materna.

Todos nós, nascidos e criados no Brasil, temos a língua portuguesa como idioma materno. Somos nativos e, portanto, fluentes na língua e são muitos os fatores que compravam esse status e um deles é nosso range lexical. A sociolinguística estuda um caso chamado Comunidade de Fala, isto é, um grupo que pode ser facilmente reconhecido através das características linguísticas. No nosso caso, compartilhamos de características linguísticas com 100% da população, por isso somos nativos e fluentes em português, porque nossa Comunidade de Fala é obviamente reconhecida através de nossa língua. O tempo de racicínio pode até ser um fator que corrobora com a fluência ou não de uma pessoa, mas não é primordial. Tempo de raciocínio demonstra a articulação de uma pessoa, talvez você tenha um aluno menos articulado e demore para concluir sua fala e acredito que nenhum professor irá questionar a fluência dele na língua portuguesa.

O que os professores de língua estrangeira precisam fazer para estimular a fluência é desenvolver atividades que fazem seus alunos falarem, se expressarem no idioma alvo. Exercícios que aprimorem o domínio de estrutura sintática, que exponham os alunos a vocabulários atuais, registros, toda a parte técnica e subjetiva da língua precisa ser trabalhada no aluno. A leitura pode enriquecer o vocabulário de seus alunos, mas a leitura silenciosa, atividades orais controladas aprimoram parte sintática e atividades de role plays ajudam os alunos a entenderem como se expressar e variadas situações. A pronúncia deve ser a cereja do bolo nas salas de aula. Além disso, muitos idiomas têm rítmos diferentes de fala. Ou seja, os responsáveis pelo ensino de língua estrangeira devem prestar atenção nos pitches das frases pois elas podem ter função semântica.

A pronúncia é, sim, muito importante em uma língua. Ela expressa um grupo, uma identidade social e os alunos devem ter acesso à essa característica linguística também, quando estiverem no processo da aquisição desse segundo idioma dentro de sala. O que se precisa conscientizar é que a pronúncia não é fator determinante para se definir a fluência ou não de um aluno, mas ela representauma peça importante do quebra-cabeça.

Infográficos: nova tendência pra aulas de inglês tecnológicas

Exemplo de infográfico: como a tecnologia melhora desempenho de alunos.

Muitos professores dizem que adorariam utilizar recursos tecnológicos dentro de sala de aula, mas como fazer isso em uma aula de inglês? Afinal, os alunos precisam, de maneira geral, de atividades que os façam falar. Um recurso muito legal para se desenvolver atividades é a criação de infográficos.

Infográficos são dados quantitativos apresentados de maneira muito lúdica através de gráficos animados, cartoons, GIFs, vídeos. Diferentemente de uma apresentação completa em PowerPoint, o infográfico é curto e compacta as informações, se tornando uma ferramenta muito interessante para os alunos apresentarem suas pesquisas no idioma alvo. A criação de um infográfico fará com que os alunos decidam exatamente que tipo de informações são relevantes e importantes, como deixar o trabalho com um aspecto interessante para aqueles que forem ter contato com o infográfico, isto é, tem que ser visualmente atrativo. Assim, essa atividade acaba atingindo aqueles alunos com perfil visual em combinação com mais duas habilidades linguísticas: a audição e a leitura.

E onde entra a fala nessa atividade? Vamos lá. O professor pode fazer uso do tema escolhido e sugerir a pesquisa por parte do alunos. Em uma forma de blended learning, essa atividade pode ter inúmeros temas: geografia, história, matemática, ciências, etc, deixando a realização do trabalho mais divertida tanto pros alunos quanto aos professores, pois ao final eles terão de apresentar os dados do infográfico para a turma e, em seguida, numa escala maior, o mesmo trabalho pode ser reapresentado para um público maior em uma feira de ciências, por exemplo, sempre no idioma alvo. Será que conseguimos atingis as quatro habilidades linguísticas com essa atividade? Vamos conferir. Aqueles alunos que irão apresentar os dados do infográfico (no idioma alvo) irão ter uma performance oral, automaticamente os que irão assistir à pesquisa irão ouvir. Além de ouvir, os alunos terão contato com textos e irão ler em certo ponto e, claro, escrita deverá acontecer por parte dos pesquisadores. Bingo!

Alguém poderia, ao final deste artigo, me perguntar sobre a tecnologia. Bom, para criação de um infográfico os alunos precisam de um template e pode ser achado gratuitamente e então diversos recursos entrarão em jogo:  uso de PowerPoint, Photoshop, YouTube, Google Images, câmeras de smartphones e tablets, enfim, tudo isso estará a disposição dos alunos e do professor para orientá-los. A tecnologia está ao nosso alcance e não precisamos de um aparelho do Homem de Ferro ultra moderno para ajudar nossos alunos com aquisição de língua estrangeira.